Capa Guerra às drogas. Homem no beco segurando placa. Bob Dylan com cartazes do Subterranean Homesick Blues no beco. Cartum do Milton Friedman. Al Capone.
Cartum do discurso de Nixon. Desenho de homem assistindo televisão. 17 de junho de 1971 - O Presidente dos EUA, Richard Nixon, declara uma “guerra às drogas”, colocando o abuso de drogas como o “inimigo público número um dos Estados Unidos”. Críticas à política vieram rápido, de uma fonte muito próxima...do ex-assessor de campanha de Nixon, Milton Friedman.
Cartum de Milton Friedman. Desenho de pose com as mãos na cintura. No meio de estantes da biblioteca. Economista de livre mercado e futuro Prêmio Nobel, Friedman reagiu à “guerra às drogas” com uma série de previsões sobre as consequências da proibição. Quarenta anos de história provariam que ele estava muito certo...ainda que para prever o Futuro, Friedman olhou para o passado.
Rua de Chicago em 1930’s. Cartum do Al Capone fumando cigarro. Em 1932, Milton Friedman se mudou para Chicago para estudar economia. A cidade ainda estava se recuperando da influência de uma figura notória de Chicago. Al Capone.
Desenho da rua de Chicago em 1930’s. Cartum de gangsters. Criminosos fumando. A proibição das vendas de bebidas alcoólicas na década de 1920 não eliminou o desejo de beber dos americanos. A Lei Seca, na verdade, forçou os consumidores a parar de comprar de vendedores legítimos...e procurar o mercado negro dirigido por criminosos como Capone.
Cartum de Tommy Gun atirando. Desenho de máquina ilegal de destilar. Equipamentos de destilação. Vivendo fora da lei, a Máfia usou violência para se estabelecer...levando a um aumento de crimes como assaltos, roubos e homicídios. Com o álcool ilegal, as leis de controle de qualidade foram substituídas por um banimento total da produção...forçando consumidores a procurarem produtores de qualidade duvidosa...e mudar de bebidas mais fracas e encorpadas, como cerveja e vinho...para bebidas destiladas, que davam muito mais lucro para os contrabandistas.
Vista de baixo dos pedestres. Desenho da rua de Chigado de 1930. Cartum do dia da revogação. O experimento norte-americano de proibição acabou em 1933. Enquanto a produção, venda e consumo de bebidas alcóolicas retornavam à legalidade...os crimes violentos decorrentes da Lei Seca caíram para níveis anteriores à década de 1920assim como os cartéis do mercado negro fracassaram frente aos negócios dos vendedores legítimos.
Cartum de vista de cima de homem usando máquina de escrever. Desenho de Milton Firedman. Quarenta anos depois, Milton Friedman estava horrorizado diante do mesmo erro dos Estados Unidos. Para os legisladores, as lições aprendidas da proibição do álcool não se aplicam às “drogas”. Isso era uma nova ameaça para ser combatida pela lei. Friedman reagiu com uma série de previsões a respeito das consequências da probição das drogas:
Desenho de Milton Friedman. Cartum de homem careca usando máquina de escrever. A demanda pelas drogas não seria parada pela lei. Drogas se tornariam um “fruto proibido”, aumentando seu poder de sedução para jovens fáceis de se impressionar.
Cartum de homem levantando da cadeira. Desenho de Milton Friedman. Com grandes lucros obtidos a partir da venda de drogas recreativas, organizações criminosas entrariam como vendedoras no mercado negro. Pessoas querendo obter drogas seriam forçadas a procurar criminosos sem preocupações com a segurança e o bem estar delas...
Cartum de Milton Firedman. Homem andando pela rua visto de ângulo inferior. ...e usuários poderiam se render ao crime para manter seus hábitos agora mais caros. Sabendo de seu poder sobre os consumidores, traficantes fariam as suas próprias regras sobre preços, qualidade e estratégias de venda.
Cartum de tráfego de drogas. Desenho de drogas sendo passadas mão a mão. Produtores seriam incentivados a fazer versões mais fortes e mais potentes de certas drogas...ou seriam incentivados a produzir drogas fortes no lugar de drogas suaves.
Cartum de Milton Friedman andando. Desenho de homem andando pela rua da cidade. Identificados como criminosos, viciados ficariam relutantes em pedir ajuda. Usuários afetados pela proibição se ressentiriam das leis e seriam menos propensos à respeitar as outras leis da sociedade.
Cartum de homem careca com óculos. Desenho de Milton Friedman andando. A quantidade de dinheiro envolvida aumentaria a possibilidade de policiais e representantes do governo serem corruptos. Mais e mais cidadãos seriam presos e apreendidos por crimes que antes não existiam.
Cartum de Milton Friedman lendo jornal. Desenho de homem em pé perto de mesa com máquina de escrever. Mais e mais cadeias seriam necessárias para abrigar aqueles que foram presos por crimes que antes não existiam. Mais e mais recursos das polícias seriam desviados para resolver outros crimes.
Cartum de homem olhando para fora da janela. Desenho de homem com óculos e globo. Cresceriam as taxas de crimes violentos entre usuários de drogas nas cidades norteamericanas...e também nos países que produzem e contrabandeiam drogas para os Estados Unidos.
Cartum de Milton Friedman. Desenho globo grande América do Norte. Uma infinidade de misérias...reverberando na sociedade...reverberando pelo mundo...como resultado direto de leis mal feitas.
Desenho beco da cidade. Noite lixeiras lixo. Cartum garota sem-teto. Oersoectiva urbana beco. Para Milton Friedman, a “guerra às drogas” nunca seria ganha. Do mesmo jeito que a Lei Seca falhou em barrar o consumo de álcool nos Estados Unidos. Friedman viu as leis como uma "cura" bem intencionada porém falha. Uma “cura” que faz mais infeliz as vidas de usuários de drogas...por torná-los excluídos vivendo fora do mainstream.
Desenho assalto urbano. Cartum assaltantos subindo escada. Assalto Pé-de-cabra. Uma “cura” que faz mais infeliz as vidas dos não-usuários...devido aos roubos e à violência que atinge quem não tem nada a ver com o assunto, como resultado das leis. Uma “cura” que faz o mundo um lugar mais cruel, mais violento.
Desenho barris proibidos. Cartum planta marijuana. Conferência de imprensa polícia ângulo baixo. Há paralelos notáveis entre a Lei Seca e a “guerra às drogas”. As gangues. A violência. As ações policiais sempre prometendo “mudar a maré”...e o contínuo funcionamento do mercado de drogas apesar daquelas ações.
Cartum bêbado morto. Desenho homem inconsciente. Fotógrafos atrás linha polícia. Lâmpadas de flash. Leis de proibição cultivam um uso de drogas com perigos e riscos ampliados...usando as tragédias de abuso de drogas como “evidência” para leis ainda mais severas. Mas quanto mal é causado apenas pelas próprias leis?
Desenho laboratório Metanfetamina. Cartum faixa polícia costurando. Ao invés de tomar conhecimento das desvantagens de suas leis...as autoridades abraçam a incerteza causada pela proibição...e incorporam isso a seus argumentos de por que pessoas não deveriam usar drogas. “Drogas são vendidas por gangues criminosas...que provavelmente as misturam nos seus porões sujos”. “Você não sabe exatamente o que você está recebendo quando compra drogas...e você não sabe quanto está tomando quando usa drogas”.
Desenho beco traficantes. Cartum Al Capone fumando ângulo inferior. Todas são razões perfeitamente válidas para não comprar drogas hoje em dia...todas eram razões perfeitamente válidas para não comprar álcool durante a Lei Seca. Todas são problemas causados pelas leis, não pelas drogas.
Desenho campo flores coloridas. Cartum homem deitado na grama, olhando as nuvens. Vamos ter uma conversa madura sobre drogas. Uma conversa que reconheça que drogas podem consumir e arruinar vidas...mas que também podem ser fonte de experiências divertidas e positivas.
Desenho flores topo montanha. Cartum meninas vendo cidade distante. Ambas as histórias são verdadeiras...ainda que apenas uma seja discutida no nosso espaço público. O alcance de atitudes públicas “aceitáveis” em relação a drogas é estrangulado pelo tabu. Se formos corajosos, há debates inteligentes a serem feitos.
Cartum amigos mirante da cidade. Desenho montanha. Quarenta anos de “guerra às drogas”, a maioria de nós não conhece o tempo em que drogas eram legalizadas...e assim achamos difícil desvincular os problemas que envolvem drogas...dos problemas das próprias drogas.
Desenho roxo viagem drogas. Cartum amigos sentados grama. Vamos separar os efeitos das drogas...dos efeitos da proibição.
Cartum roxo amigos olhando saturno. Desenho quadrinho anéis de saturno. Vamos entender quais dos nossos problemas vêm das drogas em si...e quais problemas vêm das drogas serem ilegais.

Apoie meus quadrinhos idiossincráticos! Compre um PDF de $2. Usando PayPal, Bitcon ou cartão de crédito! Altere o valor para doar uma gorjeta adicional.Ou torne-se um patrocinador mensal através do Patreon.com

Se quiser conhecer outra HQ sobre drogas, por favor leia Ratolândia.

Guerra às drogas também está disponível nos idiomas:

Čeština (cs)

,

Deutsch (de)

,

Ελληνικά (el)

,

English (en)

,

Español (es)

,

Français (fr)



Se você gostou do Guerra às drogas, experimente ler este quadrinho similar:
Ratolândia por Stuart McMillen
Um clássico experimento no estudo da dependência de drogas. Será que os ratos escolheriam usar drogas se lhes fosse dado um ambiente estimulante e companhia social?

Ou para algo totalmente diferente:
Pico do Petróleo por Stuart McMillen
Aproximadamente metade da reserva mundial de petróleo acabou; metade ainda está sobrando; Como nossa sociedade escolherá usar este petróleo que ainda resta?
Ar por Stuart McMillen
As árvores se constroem do ar. Será que podemos aprender a copiar sua engenharia complexa?
  1. Genize says:

    Excelente abordagem sobre o proibicionismo, muito esclarecedor.

  2. LAUDICÉA DA COSTA E SILVA says:

    O comentário nos quadradinhos enfatiza ainda mais o questionamento que os profissionais da área discutem,será que se a droga fosse liberada mudaria o” quadro” que se apresenta hoje na nossa sociedade ? ou a falha está na família , na escola nas instituições religiosas? foi muito boa a sugestão do comentário nos quadradinhos.

  3. Lizete Maria de Souza e Silva says:

    Gostei da maneira como foi exposto, mas, poderia acrescentar mais conteudos como forma de conscientização.

  4. Lúcia Mara Xavier says:

    Parabéns. Gostei da forma como foi exposto o problema nos quadrinhos.

  5. Quirino says:

    Muito criativo legal mesmo.Eu dou aula anti drogas como voluntario p crianças a partir dos 05 anos de idade.Sou um Policial Militar e me aposento este ano.

  6. Elaine Arruda says:

    LINDO!!!

  7. João Luis says:

    Interessante, mas mesmo bebidas alcólicas sendo drogas legais, existem as opções via Paraguai e adulterações, o que garante que caso as drogas fossem descriminalizadas não haveria uma opção mais barata, no mercado paralelo que não deixaria de existir, como o contrabando de cigarros que são mais baratos para os comerciantes não só devido o imposto mas também pela adulteração.
    Claro a maneira da sociedade civil lidar com questão das drogas realmente tem de ser revista, pois é falha mesmo! Mas legalizar com ficou evidenciado na historinha não é tão simples assim e também creio que não resolveria todos e nem a maioria dos problemas.

  8. Rosicley Almeida Lima says:

    Interessantíssima a abordagem do tema!

  9. JOSEFA NUNES DOS SANTOS says:

    Uma historia que não conhecia foi otimo ler.

  10. Emmanoel Bahia says:

    Uma forma de linguagem que prende a atenção do leitor, um conteúdo rico e real. Excelente material e forma de abordagem.

  11. patricia says:

    bom esse recorte da historia das drogas é muito inportante para a atual conjuntura pois as pessoas perderam a noção dos limites e das leis pelo uso incorreto e abusivo das drogas.

  12. Sidinea says:

    É de extrema importância o material fornecido, didático e de linguagem clara, traz alegria e esperança para o cotidiano, devemos atuar sempre com método de intervenção.

  13. Enir Santos says:

    Muito bom o material. Linguagem jovem e com certeza alcançará muitos cidadãos contribuindo com uma reflexão profunda sobre o processo das causas e consequências do uso das drogas e sua atuação histórica na sociedade.

  14. Rosilda Souza da Rocha says:

    A droga é verdade que as torna mais estimulativa pela proibição, porem não conheço forma de diminuir o consumo
    As drogas licitas, é numerosa em uso em risco de danos.Percebemos o quanto destroem o sujeito que as tornaram danos de saúde publicas.O sujeito degrada e a sociedade discrimina impossibilitando muitas vezes de sobressair do vicio.E bem verdade que há um poderio,nos tráfico,a criminalidade a distorções e aos distanciamentos do cumprimento da lei.Não tenho certeza que a não proibição ajudaria.Farei uma pesquisa melhor para poder optar até o momento tenho visto que as licitas não tem diminuído
    Há de haver soluções para todas estas problemáticas,inclusive aos danos sociais.Não liberaria até que fostes provado a eficiências de tais leis
    O brasileiro consumidor em sua maioria não é conhecedor dos males e os risco e danos que elas proporciona.Em sua maioria usa por experimento,e por aliviarem suas dores continuam a usarem, não reconhecendo como parar
    Caso seja sujeitos conhecedores saberão quando as drogas vá destruir seus relacionamentos sociais
    Há de haver educação para que possam saberem e decidirem, e arcarem com seus efeitos e custos da consequências da drogadicção

  15. custodódio cardoso says:

    Podemos observar na história, que a proibição acaba aumentando o poder de venda das substâncias pelos criminosos e tornam os seus produtos mais caros, por ser os únicos que produzem por conta da lei proibicionista, que acaba impedindo que comerciantes legais as comercializem. Creio que o principal foco das políticas públicas deve ser a degradação das redes criminosas que contrabandeiam e lucram muito em decorrências de leis falhas. Portanto, se a venda de drogas fosse controlada pelo governo pelo um preço mínimo a pagar ou até mesmo a sua distribuição gratuita para usuários, levaria à falência esses grupos criminosos que lucram milhões com a venda de drogas. Sendo assim, a prevenção, a reinserção e o tratamento de usuários seriam mais ampliados.
    Pessoas que usam drogas mesmo com a proibição, serão as mesmas que usarão se elas forem liberadas. Portanto, a liberação não influencia na quantidade de usuários.

  16. josue jacome filho says:

    Realmente, que história interessante, mostrando a necessidade de usar politicas públicas diferenciadas em relação ao mercado da droga,tem que que exergar essa questão mercadológica…

  17. Tathiana Saldanha Pinheiro says:

    Nunca soube realmente uma história sobre como começou a situação dos usuários, contrabandos, crimes que envolvem álcool e drogas. Muito interessante saber que isso ja vem desde o tempo antigo.

  18. francisco says:

    e muito valido ter conhecimento de que o uso de drogas vem sendo feito desde os nossos antepassados assim podemos ter um melhor entendimento para criarmos meios de minimizar os efeitos maleficos que estas subtancias tem causado em nossa sociedade ao longo dos anos tendo visto que apenas proibir nao tivemos exito vejo ser nessessario uma maior organizaçao entre governo e sociedeade familia comunidades de bairros fazendo um trabalho preventivo e de conscientizaçao em escolas favelas em fim nos locais onde sao fortes fatores de risco

  19. brigida says:

    É sempre bom sempre ter outra visão de um problema apresentado;saber do processo histórico que envolve a contextualização do uso social de substâncias químicas.Achei muito bom conhecer as previsões de friedmam sobre as consequências desastrosas com a proibição do uso de drogas.

  20. Jobe Gonçalves Ferreira says:

    Muito bom a leitura do quadrinho, um foco que ainda não tinha visto

  21. Adma Maria Scaff Pereira says:

    Com a inserção social, aceitação sem recriminação, se sentindo útil, e com condições dignas de sobrevivência em totalidade, com certeza escolheriam a vida social ao invés das drogas.

  22. Denise Pisani Alves da SIlva says:

    Com inserção social favorável, sentindo-se aceito, útil e com possibilidade de lazer, alimento e auto-sobrevivência, com certeza os ratos escolheriam a vida social ao invés das drogas.

  23. nNuzeni Rocha de Sousa says:

    Todo esse enredo, nos faz pensar como seria se fosse diferente, não sei exatamente como se tornariam as coisas mas sei que provavelmente seria melhor do que é hoje, porque acredito que a proibição trazem mas usuários que se fosse permitido

  24. Naire Regina says:

    Os quadrinhos nos permitem visualizar o impacto da lei diante da realidade das drogas. De forma lúdica facilita a discussão sobre as drogas e as diversas questões que envolvem o fato destas serem ilegais.

  25. Valter says:

    Concordo com o depoimento da Letícia,onde ela coloca que é lamentável que tudo que se refere as questões sócios psicoativas e tomadas de decisões sociais envolve decisões políticas do país que nunca visam ao bem estar da população e sim interesses pessoais e financeiro absurdos ,Valter Cruz,,16 de Novembro de 2015

  26. Letícia says:

    Muito pertinente a discussão do tema. É muito triste perceber que tudo envolve decisões políticas do país que nunca visam ao bem estar da população e sim interesses pessoais e financeiros.
    Talvez se a opinião de Friedman fosse considerada no inicio nossa realidade hoje seria diferente…

  27. FRANCISCO MAIA says:

    O relato é de uma verdade que chega a impressionar. Mas fica uma pergunta. Como hoje levar esta reflexão para a sociedade. Vemos todos os segmentos sociais, envolvidos e interessados nesta radicalização. E a sociedade sendo usada ´por um ou outro de acordo com seu interesse.
    Estas informações precisam chegar às camadas sociais e políticas, com a isenção relatada e as informações bem divulgads.

  28. Ewerton Rodrigo Ratti says:

    Infelizmente, sempre que historias são contadas, a versão dada é a que interessa à situação. Vamos aprender com os erros do passado. Vendo através desta historia, até parece ser uma solução plausível a descriminalização de certas drogas.

  29. Arfilina Macedo says:

    O consumo de drogas desde os tempos antigos já se consumia a droga, sendo a mesma, para fins religiosos, ou para sentir prazer, ou tirar dores e enfim para aliviar tensões de seus consumidores, como foi lido neste material, a droga ela exite desde os nossos antepassados e com efeitos tanto benéficos como maléfico. As causas e consequências são varias depende do grau e da pessoa que usa, alguns sabem a hora de parar ou se controlar, como é o caso de bebida alcoólica, dependendo qual droga pode ser consumida para aliviar dores, e assim quem usa sabe definir por quem usa. Vimos que algumas drogas são regularizadas e outras não.E analisamos que são inúmeras pessoas que de uma forma controlada ou não faz uso de droga. Agora torna a droga legal é uma questão de concientização, pois acredito que a mesma já se torna legal, pois consumimos medicamentos fortíssimos para o controle de certas doenças e assim
    temos outras que são para uso desgovernados, que contém reações adversas onde causa danos a outros, é preciso que haja um controle de uso de drogas. Assim como já existe em outros países.

  30. JUAREZ CAETANO DA CONCEIÇÃO says:

    Devido a proliferação das drogas a nível mundial,e que cada vez mais encontramos viciados e escravos deste sistema onde o próprio sistema de segurança em sua grande parte se associou e que se torna muito mais difícil de contornar essa situação tão degradante em nosso país.Mas se houver um plano dentro do âmbito escolar voltados com políticas públicas sobre a prevenção de drogas e que seja de forma sistemática e constante para que esse número assustador e alarmante seja diminuído e nosso país.

  31. marlene da silva fanfa says:

    nossos organ publicos tem que ter mais atenção e não pode se redimir desa culpa e investir de hagora entiante em politicas de preveção contra as drogas

  32. marlene da silva fanfa says:

    a historia mostra que pra compater as drogas so atraves de criação de leis anti drogas ontra traficantes

  33. CARLA SANTOS says:

    A história apresentada anteriormente nos mostra que o combate as drogas através da criação de Leis proibicionista não é eficaz e que se faz necessário pensar um outro tipo de estratégia.

  34. José Edmar de Souza says:

    Informações importantíssimas que me foi passada através dessa história em quadrinhos. Podemos ver que desde o começo de tudo quem mas sofre sempre é o outro, e assim as drogas vai cada vez mas se instalando na sociedade e aumentando os Al Capones da atualidade.

  35. Paula Regina says:

    Bastante esclarecedor os quadrinhos com relação ao histórico do uso das drogas nos U..S.A. As drogas está acabando com a vida de muitas pessoas e familiares, o assunto é muito sério e precisa ser tratado como tal,precisamos disponibilizar de ferramentas de informações para sociedade no sentido de estimular um diálogo sobre o tema sem preconceito e sem imposições. Acredito que será a partir das informações e diálogo que enfrentaremos o problemas com maios propriedade e coerência.
    Muito bom ver as diferentes opiniões aqui manifestadas.
    Precisamos nos solidarizar urgente com os que sofrem com esse problema ,

  36. Paula Regina says:

    Gostei do teu comentário Ilza o caminho é esse.
    Paulla

  37. Paula Regina says:

    Concordo com você pois as nossas carências sociais e afetivas são muito grandes.

  38. Ana Amélia says:

    O texto referencia o passado das drogas, e atualmente o contexto cada vez mais evoluído e com bastante diversidade como cresce esse tipo de enfermidade incurável.

  39. Helder Torres de Oliveira says:

    Boa noite. A droga tornou-se elemento de conquista e socialização processual e gradual que parece não haver imites para se conter. Penso que tudo deve começar na base familiar, na relação entre pai e filhos, nas orientações e exemplos a serem dados. A criminalização ou descriminalização são só paliativos que de um lado oferece o alívio de para a segurança pública e afoga a saúde de forma escandalosa. Mas, não nos esqueçamos da educação, essa sim, formal ou informal, ensina a quem aprende e aprende quem ensina.

  40. Evilasio dos Santos says:

    Boa Tarde! A droga tem sido um grande dilema na vida de muitas pessoas, seja ela licita ou elicita. Todo ser humano têm que ter consciência que ninguém consegui dominar o uso dela. As drogas têm causado grande destruições nas vidas individuais e coletivas de quem lhe usa. Ela é uma desgraça!!!

  41. Dam Carlos says:

    É impressionante como um olhar diferente, uma percepção nova sobre algo velho pode ser tão significativo. Não trouxe uma resposta pronta, salvadora, mas muito mais do que isso, trouxe um caminho, uma solução aberta ao debate com mil possibiliades de encontrar muitas respostas apropriadas ao contexto onde estão inseridas. Muito bom!

  42. Constantino de Salles Capanga says:

    foi muito gratificante ter assistido às experiências da ratolândia e dos ratos confinados, com o uso de drogas. E perceber como os ratos que podiam gozar de liberdade e convívio social num determinado momento preferiam o convívio social ao isolamento e torpor das drogas. Utopicamente falando o Estado pode controlar o que está sendo vendido ao passo que a droga no câmbio Negro é extremamente destrutiva isto ninguém pode negar. Caso da bebida alcoólica que sofre controle rigoroso da parte do Estado. É bom pensar. O que seria menos desastroso e mais facilmente controlável.

  43. Cristiane Rubio says:

    Muito importante o que nos relata essa história em quadrinhos, aonde nos faz rever e repensar o que conhecemos e entendemos sobre o uso de drogas, nos faz questionar realmente a sua legalidade ou não.

  44. Sâmara Souza says:

    Gostei muito dos quadrinhos, u forma divertida de obter informações muito proveitosas.

  45. jonson custodio says:

    Bem didático, torna leitura mais leve visualmente.

  46. Cris says:

    Se as drogas fossem liberadas, evitariam os tráficos, que hoje é umas das causas de morte de nossos jovens, que querem consumir e não tem dinheiro para sustentar o seu vicio.

  47. Paulo Afonso Magnago says:

    Boa a ideia do quadrinho, facilita a compressão.

  48. José Expedito dos Santos says:

    Adorei saber mais de uma forma divertida em quadrinhos.

  49. ANA LÚCIA XAVIER says:

    Concordo com a colega Simone Delfim.

  50. SIMONE DELFIM says:

    Então todas as experiencias são validas para se alcançar os objetivos propostos, eu não acredito que com a liberação algo tende a mudar, os viciados não vão deixar de ser viciados,e a comercialização disso ficará a cargo do nosso governo que nem governar sabe. Difícil decisão num pais com tanta desigualdade.

  51. Susana Ferreira dos Santos Meira says:

    Quadrinhos que refletem os riscos a saúde que as drogas sempre causaram ao organismo, afetando a qualidade de vida do usuário. As leis estão aí, precisam ser efetivadas e cumpridas.

  52. Noemi says:

    é contra fatos não existe argumentos, conforme citado nos quadrinhos a não conheci esse tempo em que droga era livre. sei que tudo nos leva a entender que as pessoas adora o proibido, e que as leis são feitas para ser cumpridas, desde que seja observada com estudo e pesquisa no antes da lei e apos a lei…e a metodologia que foi implantada em nada se preocupou com os efeitos colaterais desta lei…concientização seria um dos caminhos.

  53. Soleni says:

    Bela reflexão ao ler esses quadrinhos, fácil de entender e reporta-nos ao passado e ao presente. As leis existem para organizar a sociedade, mas precisam ser cumpridas.
    Muito Obrigada!

  54. IRAN COSME PEREIRA says:

    Gostei muito do quadrinho, o fato de aliar o conteúdo a mensagem do texto (texto muito profundo) de muito reflexão. Adorei, sensacional!

  55. FRANCISCO MAIA says:

    Um material de excelente qualidade, com um diálogo fácil e claro. Em que propõe uma reflexão sobre como lidar com as leis, com suas diretrizes e em muitos caso com propostas irrealizáveis, como o controle do comércio ilegal de drogas chamadas ilícitas e o estímulo ao uso de outras chamadas lícitas. Porém que se constituem em uma porta de entrada ao mundo do vício e dependência para as pessoas com vulnerabilidade às drogas.Esta reflexão precisa ser realizada e proposta. Talvez assim, a sociedade que se diz tutora deixe a hipocrisia e encare os problemas sem protecionismo ou estigmatização do povo.

  56. Dayana Franco says:

    Enos xcelente material de cunho didático pedagógico para ser trabalhado em pré vestibular comunitário; momentos de reflexão e questionamentos de abordagem entre adolescentes e na educação.

  57. lu batista says:

    Uma boa historia para ser levado á serio e trabalhar nas escolas principalmente de educação fundamental 1 e 2,na conscientização de uso das drogas.

  58. Ivanise says:

    Excelente material para se trabalhar nos serviços de saúde, assistência e educação.

  59. Elizabet Bagio Gomes says:

    Ótimo material ara trabalhar com alunos, além das drogas faz uma abordagem as leis. Bem interessante.

  60. celia Baggio says:

    Achei bem interessante esta história em quadrinhos. Bem elaborada e pode ser utilizada para esclarecer o assunto com os alunos em sala de aula. O material é rico em informações que faz uma reflexão que praticamente não se discute nas aulas. As leis que são criadas e suas consequências em vários contextos.

  61. Alessandra Menezes says:

    Boa tarde
    Refletindo…..
    Através da História ” Guerra as Drogas” pude refletir fazendo uma viagem até os dias de hoje !
    NUTE….Obrigado pela oportunidade.

  62. Fernando Magalhães Rodrigues says:

    Muito interessante! Fica claro que quase tudo na vida é uma questão cultural. Exemplos do passado podem decidir as decisões do presente influenciando o nosso futuro. O Estado define o que é crime, a sociedade precisa debater e ter opinião legítima. A lei penal é mínima. O Estado precisa de uma mão-de-ferro para fiscalizar, não para proibir.

  63. Zuleide Felix Nakagawa says:

    Achei interessante os argumentos que Frieldman usou. Fez uma excelente leitura da realidade das drogas, conseguiu colocar o que aconteceu com a proibição e ao mesmo tempo coloca-se quando o alcool neste caso foi liberado. Consegue estabelecer as questões de leis que acabam de certa forma não tendo uma função positiva em determinado assunto. Demonstra que o homem tem que ter a leitura do mundo, adequando-se a ele.

  64. Gisele Aparecida Schmitz says:

    Instiga-nos a pensar no passado presente e as diversas formas de concepções e “tratamento” ao longo da história quando ao uso e ilegalidade das drogas. Parabéns!

  65. Maria de Lourdes Silva Sousa says:

    Achei ótima essa HQ, uma maneira bem lúdica de expor esse tema e de fácil compreensão, com trabalhos como esses os alunos poderiam assimilar com maior facilidade os conteúdos.

  66. Elizabeth de Fatima Bleinat Kautz says:

    Muito bom o conteúdo e a forma de expor o problema, deveria ser levado para as escolas, os jovens se interessariam mais. Deveria ser matéria de sala de aula, nos CCA, CJ , e em toda parte,

  67. Iuri Fonseca says:

    Muito boa essa HQ. Bem explicativo e de fácil entendimento, e, o melhor de tudo, feita baseada em fatos reais que demonstram um exemplo perfeito em relação a abordagem nacional e internacional da politicas de drogas. Deveria ser impressa milhões de cópias e distribuídas gratuitamente! Desculpa Stuart McMillen…! rs

  68. ismael camelo da silva says:

    VIVEMOS EM UMA SOCIEDADE CAPITALISTA. É FATO. CONSUMISTA. É FATO. INCAPAZ DE SACIAR OS ANSEIOS DA POPULAÇÃO E DE CRIAR ALTERNATIVAS BASEADAS NA SOLIDARIEDADE,TUDO ISSO GERA MAIS CONFLITOS, MAIS FRUSTRAÇÃO, OBRIGANDO MUITA GENTE A TOMAR MEDIDAS PALEATIVAS E BUSCAR SUA VÁLVULA DE ESCAPE NAS DROGAS.

  69. Ilza Antonia de Souza says:

    Muito boa a explanação, concordo que se liberássemos as drogas, com critérios de vendas, farmácias, tabacarias, etc.. diminuiríamos muito o consumo, pois, o prazer da maioria está no proibido, e não necessariamente no prazer de usá-la, isso é cerne do ser humano..
    Mas, como chegaremos lá??com conhecimento de todos o que significa as drogas e dando liberdade à quem quer usá-la, basta o exemplo do álcool e do fumo!!

  70. Luciana says:

    Como sempre há alguém tirando vantagem da falta de esclarecimento das pessoas. Com certeza o comércio ilegal alimenta ainda mais o uso e dependência de substâncias. A falta de clareza de campanhas que elucidem e eduquem de fato ainda na infância demonstra o quanto ainda não estamos preparados para dialogar sobre o tema, pois muitas pessoas tem receio de expor opiniões e buscar maior conhecimento.

  71. suzana maria saad says:

    Nossa é ótimo ter esta noção histórica de como em poucas palavras entender algo que realmente uma transformação societária que baniu a clareza e agiu e age em padrões claros que deixaram marcas de resoluções mau feitas.

  72. carlos cordeiro says:

    Nesse contexto não podemos comparar os EUA com o Brasil…Uma coisa é você ter toda a formação , digo educação, habitação, saúde, segurança e entrar nas drogas por que quer ter uma experiência diferente. Outra é ser uma pessoa sub desenvolvida por que o meio não te dá condições e as drogas ser a única opção de crescer num grupo ou financeiramente… Acredito que devemos ter o minimo de suporte para dar condições que o individuo realmente entre …mas saiba conscientemente o que esta fazendo…o que de momento não é caso no Brasil.

  73. Adélia Mariano Motta Ferreira says:

    É um assunto que me faz refletir, mas ao mesmo tempo me deixa na dúvida o que seria melhor para a sociedade a proibição ou a liberação para o uso da droga? É um assunto difícil de ser encarado, mas precisamos unir forças e achar o caminho certo. Para quem sabe termos um mundo menos violento…..

  74. Eliane says:

    Muito interessante a relação feita com a Lei Seca!!!!!

  75. Joelma Maria de lima Ferreira says:

    Esclarecedor, uma forma dinâmica de ler sobre drogas. Gostei muito!

  76. cida says:

    Muito bom o histórico da origem das drogas.Não consigo assimilar que drogas pode ser fonte de experiencias divertida e positivas.

  77. Zelir says:

    Muito bom…

  78. Laina Rocha Machado says:

    Sempre me perguntava de onde vem a historia das drogas,mas só depois desse aprendizado consegui entender a geração da mesma ,parabéns pela historia ,aprendi muito.
    abraços a todos.

  79. Hozana Maria Giovanni says:

    Penso que, se ao invés de proibir o uso das drogas há quarenta anos atrás, o Estado deveria ter investido em educação para a conscientização dos males causados ao organismo das pessoas e sobre a responsabilidade do seu uso. Atualmente o Estado deve isso a sociedade não pode se redimir dessa culpa, e investir de agora em diante em politicas educacionais para a prevenção.

  80. gilianne emilia says:

    Ótimos quadrinhos e historia de fácil acesso para todos.

  81. Haspazya says:

    O que percebemos é que a proibição abre portas para o uso ilegal e o abuso do uso das drogas. É importante trabalhar o problema e não fechar os olhos fingindo que o mesmo não existe, mais uma vez, creio que trabalhar a prevenção é a forma mais adequada.

  82. Francis says:

    Belo Documentario, relata a realidade do uso e abuso de drogas que nao é de hoje e sim de muitos anos

  83. celia maria alves de azevedo says:

    Na realidade o que mata e vicia é a proibição, dela segue-se o valor para quem e a quem.

  84. Margarida Kimie Watanabe says:

    Parabéns por este doumentário!
    Só agora pude compreender o surgimento e a evolução do uso e do consume das drogras.

  85. Ines Maria Vicentini says:

    Acho que é simplista pensar que se resolve o problema legalizando as drogas. Temos que questionar como nossa sociedade está organizada onde as grandes corporações é que tem o poder. Quando é proibido a propaganda de cigarro,por exemplo, as indústrias colocam substancias mais fortes para facilitar o vício e o Estado não consegue coibir isso porque a maioria eleita é financiada pelo poder econômico, portanto beneficiam a esses. No entanto, a história em quadrinhos serve para questionar certas ideias que temos e para aprofundar a discussão.

  86. emival ferreira mendes says:

    Parabéns a todos com esta iniciativa mas seria muito importante que este trabalhos sejam colocados em um DVD para serem trabalhados em salas de aulas obrigado um abraço a todos

  87. Rosane Andrade says:

    A história em quadrinho tem como principal objetivo redução de danos. O importante é prevenir.

  88. Rosane Andrade says:

    Muito bom!
    A história em quadrinho tem como principal objetivo redução de danos. O importante é prevenir.

  89. Reginaldo Sérgio Balduino de Melo says:

    Excelente, objetivo e atraente, a história em quadrinhos mantém o interesse no foco. Creio que continua sendo mais barato prevenir do que remediar.

  90. FREDERICO OLIVEIRA says:

    Excelente quadrinho, retrata as consequência da não política sobre o uso de droga e o pensamento radical perante a proibição delas.

  91. Aidil dos Santos Cerqueira says:

    Otima apresentação em quadrinhos e de fácil compreensão e muito esclarecedora sobre esse tema, que tanto nos aflige nos dias atuais

  92. José Au8gusto da Silva says:

    Estes quadrinhos reflete muito bem a realidade atual, pois é muito educativo parabéns.

  93. Janaína Melo says:

    Material em quadrinho excelente .Parabéns!

  94. Fátima Rangel says:

    Excelente apresentação em quadrinhos do Guerra às drogas e a pesquisa Ratolândia muito interessante. Parabéns as equipes.

  95. Rita Lima says:

    Muito boa a forma como foi apresentada a historia das drogas.

  96. Ilza Batista da Costa Rocha says:

    Muito bom material em quadrinhos, parabéns a equipe que produziu.

  97. Suzana says:

    Adorei o modo como foi apresentado a história da evolução das drogas em forma de quadrinhos.

  98. CELIA MARIA TEIXEIRA BATISTA says:

    nossa!! quanto assunto enriquecedor! a maioria das pessoas se sequer sabem a origem das drogas…gostei muito!!

  99. Juliana Fábia says:

    Muito inteligente esse quadrinho. Vamos repensar?!
    Sou muito contra ao abuso do uso de drogas, mas a repreensão não ajuda no combate ao mal do uso excessivo.

  100. Eudes de Avelar says:

    Excelente texto, simples e objetivo. Prevenção é o caminho natural a ser seguido. Educação familiar de mãos das com as Escolas, falando do tema de maneira simples e singular. OS QUADRINHOS são uma ferramenta maravilhosa.

  101. Luciana martins Oliveira says:

    Excelente, linguagem clara, objetiva que nos remete a uma reflexão… e ainda nos atualiza com informações, dados sobre a história do tema estudado, o qual até então era desconhecido.

  102. Helio Cruz da Silva says:

    Ha que se conhecer o inimigo para melhor combate-lo. Parece-me inquestionável, as drogas sempre existiram, são os usuários que estão aumentando. Precisamos ter conhecimento e praticar ações preventivas, mostrando as consequencias dos prazeres imediatos.

  103. Rosangela Luz da Silva says:

    Não tinha conhecimento sobre a história das drogas, achei muito interessante a colocação desse conteúdo em quadrinhos, estimula o leitor a fazer a leitura ate o final e aprender mais.

  104. AGUINALDO COSTA NETO says:

    Importante e interessante viagem para melhor entendimento.

  105. Claudia says:

    Perfeito esta vigem no tempo,no qual pude entender um pouco mais a questão das drogas e o aumento do vicio.

  106. juliano says:

    que texto interessante. uma linguagem clara e envolvente. valeu demais….

  107. jenifher says:

    Sensacional, muito bom!

  108. Antonio Carlos says:

    Um texto ótimo, sempre imaginei que tudo que é simplesmente proibido, tem a grande chance de ter um efeito contrário.

  109. TATIANA DOS SANTOS ANDRADE CATE-D17S10-G33 says:

    Adorei o material, esclarece e informa de situações que eu não conhecia, como também nos auxilia a repensar o preconceito existente sobre as drogas. Excelente!

  110. Adaise says:

    Material otimo, mostra conteudo que muitas da vezes julgamos saber

  111. Emilio Carlos barbosa says:

    Estou feliz por ter acesso a este tipo de material, pois na minha trajetória de vida, em prol de pessoas excluídas pela sociedade, temos uma necessidade de um trabalho tão resumido mas com tanto impacto para o aprendizado. Aqui eu pude ver que não é difícil entender como é possível propor transformação de vidas com uma linguagem em que todos possam entender. Parabéns

  112. Cléa says:

    Muito bom o resumo da história e a reflexão acerca do tema.

  113. silvana monte says:

    Texto bem interessante, explicativo e importante para que tenhamos noção de historia e consequencia da proibição da droga. leva-nos a refletir sobre a problematica que é o comercio ilegal e criar opinião sobre legalização da maconha.

  114. Antonio Neto says:

    Texto muito interessante. Trás uma reflexão e tanto de mr. freedman sobre a Guerra as drogas nos EUA. temos que reconhecer que por muito tempo o Brasil foi usado como marionete do governo dos EUA. Penso que estamos maduros para decidirmos o que é melhor parea nosso país.

  115. Bernadete Gonçalves Leite says:

    Material muito bom.preciso ler mais para ter subsídio para discutir.

  116. osvaldo Antonio de Souza says:

    O assunto droga é uma discussão sem fim… Penso que se tivermos uma educação esclarecedora e formadora evitaria o agravamento da situação. A ganância pelo TER faz acontecer o desrespeito com o SER humano e as consequência estão aí e todos nós pagando um preço muito alto, inclusive com o risco de morte.

  117. Claudinei Balan says:

    Concordo em partes com o exposto, mas vale a pena aprofunda a reflexão e a discussão.

  118. Luis Alexandre says:

    Bah muito bom o tema e historia, podemos refletir e também entrar na historia por conhecer pessoas e também trabalhar com os pre e jovens nas comunidade muito bom o tema. O tema foi muito complexo temos que rever as leis e punir as pessoas,

  119. Rosana Betania says:

    Quanta informação que são importantes para esclarecermos, como tudo começa. E as leis que poderiam nos proteger, são responsáveis pelo aumento da criminalidade e violência.

  120. Jucelio Gabriel says:

    Um sistema de leis universais(como um tratado entre os países do mundo) contra o trafico de drogas seria um ponto de inicio para o combate as drogas?

  121. cleyde soares says:

    Infelizmente esse conteúdo não e divulgado, pois seria muito útil tal informação.

  122. DINAJÁRIA says:

    História bastante interessante é lamentável que isso não seja propagado nas escolas para prevenção e combate ao uso de drogas, o que as pessoas sabem realmente é superficial e precisa ser divulgado para conscientização de crianças, jovens e adultos.

  123. erivander says:

    Parabéns pela história em quadrinhos, foi muito agregador.

  124. MarcelloC says:

    Contra fatos não existem argumentos e a história da guerra às drogas é um fato claro de que esta guerra está perdida. Passemos pois à mitigação de perdas. Perdas de vidas antes e acima de tudo. O resto é falso moralismo!!

  125. Augusto Cesar Jação says:

    Todos os jovens de nosso colégio possuem informações sobre drogas, gravidez precoce, métodos de prevenção, mas percebo que a informação não é suficiente para essa geração, como eles mesmos dizem “não dá nada”, vejo que é uma questão cultural, onde a escola pública não consegue cumprir o seu papel e muito menos a esfera familiar que está totalmente fragmentada e fragilizada. Nas eleições os políticos conseguem com facilidade convencer e comprar votos dessa massa expectadora passiva.

  126. Augusto Cesar Jação says:

    Nunca tinha lido um paralelo sobre a Lei Seca nos Estados Unidos e a proibição do consumo e porte de drogas, a ideia parece ser bem coerente, faz a gente pensar sobre os paradigmas que temos formado durante anos. É verdade que o ser humano tem uma certa atração pelo proibido, por aquilo que é “errado”, certamente que a legalização traria menos problemas com relação a prisões e a justiça, mas acredito que a violência não iria diminuir, pois os viciados irão ter que ter dinheiro do mesmo modo para poder consumir, e muitos deles não possuem estrutura familiar para orientação.

  127. benedito lazaro says:

    O paralelo referido na história vem nos mostrar, que guerra não deve ser travada desta forma pois iremos novamente perder. E sim devemos tomar propriedade real dos fatos para sabermos resolver tal situação que vem agravando a cada dia a nossa sociedade.

  128. Claudio de Aquino e Silva says:

    Ao terminar de ler o texto cheguei á seguinte conclusão que nem a proibição nem a liberação resolveu o problema, nossos jovens vão continuar morrendo ou pelo uso, pelos roubos, pequenos tráficos para conseguir dinheiro para o uso. Traficante é problema do Estado da policia, mas nossos filhos são problema nosso dos pais. oque se faz neste país para para orientar os pais? Só conheço um lugar onde encontrei pessoas preparadas para me ajudar á entender e lidar com a dependência química de meus filhos, grupo de apoio Amor Exigente, falo com propriedade pois estou a dez anos no grupo, continuo porque depois que fui ajudado agora ajudo quem chega como cheguei á dez anos atras. Os Estados deveriam conhecer este trabalho na federação de Amor Exigente em Campinas através da nosso diretoria presidida por Luis Fernando calduro.

  129. EDITE BORDIGNON SPESSATTO says:

    Texto esclarecedor, uma análise histórica, penso que o fundamental não é a proibição, mas informação, “educação”, as pessoas terem conhecimento, informação de quais os malefícios das “drogas”.

  130. Claudete says:

    Fazer a prevenção ao uso e abuso das drogas em quadrinhos, seria uma ótima opção para jovens e adolescentes. Pois os quadrinhos desperta a curiosidade.

  131. José says:

    Eu também acho que a proibição nunca é um bom negócio, tudo que é proibido exita mais, e as pessoas querem desafiar as leis e a sociedade.

  132. Marcos de Souza Freire says:

    Apartir do momento q percebemos que o problema das drogas pode atingir a qualquer pessoa ….
    Perdemos o preconceito e ganhamos mas liberdade em conversar-mos com mais claresa sobre este tipo de assunto…
    É um problema nosso

  133. Bruna Melo says:

    Excelente!

  134. Ingo says:

    Concordo com a necessidade de entendermos os problemas decorrentes de uso abusivo das drogas e os problemas decorrentes de uma legislação inadequada.
    A abordagem que está mais a meu alcance é identificar o motivo pelo qual usuários caem no consumo abusivo de drogas para neutralizar essa demanda.

  135. Fiorido says:

    Boa tarde,

    Interessantes e bem explicativos os quadrinhos. Compartilhei!

  136. valdecir says:

    BOA NOITE
    GOSTEI DO MATERIAL MUITO BOM DE SE TRABALHAR

  137. Barbara says:

    Excelente os quadrinhos, muito didática a explicação sobre os reflexos da ilegalidade das drogas!

  138. Joenildo Fonseca says:

    Interessante o ponto de vista apresentado, no entanto, antes de tomarmos uma decisão em qual lado da situação estar, é importante, ter acesso a outros dados referente a matéria. Não correria aqui o perigo do antinomismo?

  139. JOÃO says:

    NÃO CONCORDO COM ESSA MANEIRA DE PENSAR POIS QUANDO VC TRABALHA COM PESSOAS QUE USAM DROGAS PERCEBE O SOFRIMENTO DA FAMÍLIA DE VER A PESSOA SE ACABANDO AOS POUCOS IMAGINO EU SE LEGALIZAR ISSO.

  140. Régea Rodrigues says:

    Muito legal, a exposição em quadrinhos nos faz emergir no mundo real e comparar com as nossas leis que precisam no mínimo serem revistas.

  141. Gildei says:

    muito interessante esse contexto histórico sobre a guerra as drogas. Nos estados unidos segundo essa historia em quadrinhos gerou problemas de ordem maiores que os existentes, como por exemplo o trafico e a má qualidade das drogas tornando-as mais nocivas do que já são. pensando no contexto de Brasil: será q estamos preparados para liberar o uso ? e como seriam essas politicas?

  142. Cintia Rezende says:

    Acredito que se tudo fosse legalizado as consequências seriam reduzidas e os tratamentos seriam menores, já´que o estimulo maior ao uso é o proibido.

  143. Betânia says:

    Muito boa a exposição em quadrinhos, o que nós temos ainda que pensarmos é, a droga que mais provoca dependência, violência domestica, desestruturação das família, é o ÁLCOOL(legalizada), e que mais mata CIGARRO(legalizada), quando o governo resolver legalizar uma droga tem que ter politicas bem definidas de prevenção e tratamento dos dependente . caso contrario resolve o problema da violência em parte.

  144. Leandro Jacques Martins says:

    Campanhas que colaborarem para o enfrentamento às drogas são extremamente importantes, afinal o consumo de drogas tem vitimizado inúmeras pessoas e provocado sofrimento em muitas famílias e aumento da violência.
    Atividades artísticas e culturais que despertem a consciência dos jovens, especialmente, e de nossos adultos sobre o problema ajudam no processo de informação, formação e conhecimento de medidas para o combate e o enfrentamento às drogas.

  145. Lindemberg R. Boechat says:

    Para vencermos essa guerra precisamos conhecer bem o inimigo, gostei muito do texto, quero aprender mais sobre o assunto.

  146. Anderson says:

    Sem dúvida uma bela obra de arte! Sugestão tinha que ser colocada em exposição em todas as Capitais do Brasil.

  147. josete says:

    Muito interessante.Trabalho como este, deve estar disponiveis par as escolas.

  148. Waltecia says:

    Parabéns!
    Trabalho perfeito. Roteiro espetacular.

  149. rafael says:

    Impressionante como leis podem modificar esse universo tão complexo como o mundo das drogas! Ideias ultrapassadas que provem de pessoas mal informadas acabam por destruir aquilo que poderia ser tratado de uma forma diferente!!! Acho que proibir não é a solução e sim a conscientização e

  150. Emerson Oliveira says:

    Usuário de droga não é criminoso, é uma pessoa precisando de ajuda. Mandá-lo para a criminalidade não é solução, é problema. Precisamos trazer à luz essa situação, controlando, taxando e usando a renda para mensurar o problema e promover ações de recuperação de dependentes.

  151. Claudia Barcellos says:

    A tragédia do uso de drogas ilícitas só ultrapassou o tempo, mas o histórico é o mesmo. Leis para proibir e nada na prevenção. O tráfico dedrogas sempre obteve poder e organização ao mesmo tempo que sempre foi consumida por diferentes condições sociais. Uma referência importante foi a atribuição aos negros como vencidos e usavam como vingança, abafando assim a classe media que era tão usuária quanto aos menos favorecidos. Lamentável que nada mudou na história das drogas no mundo apenas estendeu-se pelo mundo a fora, saindo da posição de uso em divertimentos, rituais ou lembrando apenas das bebidas industrializadas que formaram cartéis para o vício continuo de álcool e drogas de forma doentia que ataca as famílias e sociedade em geral sem previsão de combate definitivo apenas paliativo ou preventivo porém de maneira fraca sem encontrar os verdadeiros chefes deste mal do século.

  152. Arlete Reis says:

    A referencia histórica é rica em detalhes que nos fazem pensar que esses problemas já existiam no passado…em todas as esferas da sociedade, como bem sabemos a droga é uma questão social sendo ela lícita ou ilícita.Muito boa a abordagem em quadrinhos. O tema bem abordado, com certeza indicarei esta leitura quando trabalhar com os jovens.

  153. Pingback: O que sai mais barato? | Ovelha Elétrica

  154. Rafael says:

    Somos tão moralista que preferimos viver no inferno, do que tentar resolver nossos problemas sociais. Temos que discutir e discutir para chegamos a uma solução concreta.
    POR uma sociedade menos moralista e mais realista.

  155. Paulo says:

    Quem é que vai pagar por isso ?

  156. Felipe Boani de Moraes says:

    A legalização não é a liberação desacerbada, mas sim a regularização, ou seja, quais drogas vão ser liberadas, de que forma, quais são os limites de uso diário, etc. Por isso sou a favor, além de quebrar o crime organizado, gera emprego e arrecadação pro país.

  157. Ari Oliveira says:

    Não tenho posição ainda. Acho que a discussão precisa ser aprofundada. No meu entendimento a simples proibição não resolve(u) o problema, mas a liberação tem que ser algo muito bem estudado. Havemos de se encontrar uma saída.

  158. eduardo says:

    grande trabalho nos quadrinhos , legalize já , uma erva natural não pode te prejudicar.

  159. Sergio Gauza says:

    Minha opinião é que tudo que faz mal à saúde é droga, portanto, para que tenhamos uma vida saudável e qualidade de vida, devemos nos afastar do que é pernicioso a ela.
    No que se refere às pessoas que procuram traficantes para adquirirem entorpecentes, devo dizer que são pessoas fracas e sem objetivo de vida.

  160. ALS says:

    NÃO USE DROGAS, RESOLVIDO.DO NOT USE DRUGS, SOLVED .
    Benutze keine Drogen , gelöst.Ne me drogue , résolu.
    Gebruik geen drugs , OPGELOST .Не употреблять наркотики , решена.

  161. lucas says:

    Amei o quadrinho, concordo plenamente. O problema não são as drogas, são as leis.

  162. a says:

    uma bosta

  163. fabio says:

    Concordo com todo o conteúdo…já tinha chegado á mesma conclusão desde há muitos anos. Não tem o menor sentido continuar com uma estratégia estúpida e estéril que não mostrou até agora nenhum resultado positivo em qualquer lugar…

  164. O Antedeguemon! says:

    Veja a quantia de viciados e vidas ceifadas antes de medidas restritivas contra drogas e o combate, lá para antes da década de 30, por exemplo, com os dados atuais. Não sejam desonestos para dizer que a forma mais eficiente de combate é a liberação.
    No caso da lei seca foi feito a proibição de uma droga que tinha bastante costume da sociedade, é evidente que o problema sairia fora de controle por isso. Metaforicamente seria como retirar um brinquedo de um bebê de uma vez, ele vai fazer bagunça e berrar até que não dura muito e os responsáveis assustados devolvem o brinquedo para a criança. Agora, as drogas atualmente ilícitas nunca tiveram esse costume da sociedade contemporânea, por isso não é passível de comparação com o Alcool.
    Vamos nos focar como o governo é aliado das Farc e como ele mesmo incentiva o mercado negro de drogas assim.
    É mongolisse ser libertário em um país subdesenvolvido igual o Brasil, e querer liberar geral pensa que isso vai ajudar no nosso desenvolvimento.

  165. Rafael_RS says:

    Great Work Stuart. Too bad I’m only getting to know your work now.
    Keep up with the criative drawings with an approach that everybody can relate too. Cheers from Brasil!

  166. Lucas Álvaro says:

    Essa imagem dos jovens no pasto felizes com mochilas, é muito familiar rsrs, cogumelos é de graça e divertido… Sou totalmente a favor do governo abraçar a causa, principalmente por que ele vai economizar muito com isso, e assim investir em coisas realmente boas, eu queria que nosso país instlace em todas as escolas areas onde as criaças e adolecentes aprendecem a plantar, alem de uma terapira, ajudaria a educar esses jovens para que creçam respeitando a nossa tão amada natureza! :)

  167. Michael Lourant says:

    Parabéns!

    Excelente abordagem e quadrinhos muito bons.

  168. Luís Ricardo says:

    Excelente, os quadrinhos! Ele ilustra muito bem os últimos 100 anos da relação drogas-proibicionismo, evidenciando claramente a realidade fática: o fracasso da adoção desta estratégia frente à convivência da sociedade e as drogas (convivência imemorial). Compartilhei no meu facebook!

  169. Steven says:

    MUITO BOM !

  170. emmc says:

    Bravo!

  171. Sávio Dantas Rodrigues says:

    A pura verdade

  172. jopeu says:

    As drogas são como a faca, o culpado não é a faca e sim quem a empunha.
    O mal da sociedade atual é o capitalismo absurdo e sem medida onde homens tem tanto poder que sua visão da realidade se modifica. Hoej é igual a quando Nero incendeia Roma; estes donos do capital estão incendiando ao mundo.

  173. Egidio Garcia Coelho says:

    Por trás da proibição se alimenta uma poderosa rede de corrupção que reina na hipocrisia e força, capaz de uma manutenção permanente deste sistema! Assim, na lei da conveniência e por segurança o cidadão íntegro, acaba optando pela indiferença e distanciamento que no fundo alimenta conflitos, uma vez que os envolvidos, são todos vítimas do vício ou da ignorância, precisando de ajuda!

  174. ALEXANDRE says:

    I don´t agree. Isso é ridículo. Pensar que a liberação vai resolver é problema é uma ingenuidade infantil e uma visão simplista demais.

  175. Tamires says:

    Great work.

  176. Neto says:

    excelente visão !!!!

  177. Brunno says:

    Congratulations! Great job, great point of view!

  178. Raphael Queiroz says:

    Muito bom, muito bem feito!

  179. Cicerox says:

    Awesome! Fantastic! Congratulations!

  180. Dw says:

    Li meio que superficialmente, depois torno para dar uma opinião mais concreta.
    Bem, o lucro de Al Caponi não veio exclusivamente da venda ilegal de bebidas alcoólicas; tem também o contrabando, a máfia, as extorsões por “proteção”, os saques, os roubos, a formação de quadrilha e outros negócios.
    Al Capone comrropeu muitos policiais que faziam vista grossa e até mesmo eram informantes dele.
    A venda ilegal ou legal de bebidas alcoólicas não é argumento para o surgimento de pessoas criminosas que irão procurar a forma mais rápida de lucrarem (de preferência ilicitamente), nem serve de referência para estudar a liberação de outras drogas. O argumento apenas declara que a proibição de produtos viciosos e que causam dependência, pode além de enriquecer as pessoas dos piores tipos através de pessoas fracas e sem amor próprio, como também mostra que uma sociedade com uma educação deficiente irá obrigar a política de governo investirem ainda mais em uma polícia ineficiente ou em em programas custosos sem sucesso.
    Ao passo que a sociedade caminha contra a criminalidade, mas deixando brechas nas leis que abrigam pessoas criminosas do colarinho branco, sempre a sociedade vai se deparar com corrupção que causa a pobreza, com pessoas sem infraestrutura necessária, com uma educação ruim, vivendo em uma sociedade atrasada, e obrigando aos fracos a procurarem uma fuga para os entorpecente que anestesiam os sentimentos de viver na mer.da…

  181. Marcell Campos says:

    Garanto que o autor é um maconheiro de merda.

  182. arlei says:

    muito bom msm meus parabéns

  183. Pingback: A história da guerra às drogas… em quadrinhos! | Mercado Popular

  184. Roni Ventura says:

    Perfeito cara,parabéns,!

  185. Pingback: A História da Guerra às Drogas… em Quadrinhos! - Portal Libertarianismo

  186. Luisa Maranhao says:

    So nice!
    Beautiful!
    I loved!

  187. William says:

    Very bright, indeed we don’t remember the day that drugs weren’t legalized. Drugs cause minor problems than drug proibition. Someone need to translate this, it may save the world, or change a few minds, at least something good would happen

  188. Pingback: “Guerra contra as drogas” | Anarquismo e outros ensaios

  189. João Xavier says:

    Pessoal que leu e curtiu esse texto, leiam mais sobre MILTON FRIEDMAN. Vcs vão se surpreender com o quanto o pensamento político e econômico da maioria de nós é defasado.

  190. Fábio says:

    Muito pertinente o texto!

  191. Ricardo says:

    PERFEITO!

  192. Maconheiro says:

    LIBERAÇÃO DA MACONHA JÁ!

  193. Luana says:

    Gostei muito. A referência histórica é inteligentíssima. Estamos passando pelo mesmo processo… Não aprendemos com o erro do passado. Mas acho que não é, também, questão de se fazer apologia às drogas.

  194. Peu Dias says:

    Sim, vamos debater. Com argumentos e sem dogmas. Usar franqueza ao invés de acusações. Tudo nessa vida tem mais de um lado a ser considerado e nenhuma decisão decente pode ser tomado conhecendo apenas uma versão.
    Drogas são boas e ruins. Leis são boas e ruins. Pessoas, são boas e ruins.

  195. Alex says:

    Muito bom! É muito importante que artistas com a qualidade vista aqui surjam nessa hora de mudança que vivemos! Meus parabéns!

  196. raphael says:

    MUITO bom!

  197. Guilherme says:

    muito bom.

  198. Flávia says:

    Sabemos que politica proibicionista está vinculada a fatores eleitoreiros e morais, talvez esteja ai o grande problema. Temos politicos que ainda acham que a melhor solução é parar de usar e que não compreendem os benefícios que a regulação trariam. Muita desinformação e muito interesse.

  199. Pingback: GUERRA ÀS DROGAS >> POR STUART MCMILLEN | I Smoke Two Joints

  200. Pingback: Os quadrinhos educativos de Stuart McMillen | Torre dos Gurus

  201. Pingback: Guerra contra as drogas « A Utopia

  202. carlos silva says:

    COLOCA ESSES QUADRINHOS NO LUGAR DO JORNAL NACIONAL…QUEM SABE A MASSA CINZENTA DA MASSA DE SUBALTERNOS PASSIONAIS COMEÇA A FUNCIONAR.

  203. Eduardo da Matta says:

    Realmente execelente

  204. ED.A.A says:

    No Brasil, “o ilegal “funciona somente para sustentar setores interessados na ilegalidade : polícia, delegados, juízes, vereadores , deputados , senadores etc… , o tráfico interessa para os dois lados, partindo da certeza de que a droga chegará ao consumidor, como de fato acontece, só para ilustrar : se o $$$$$ do tráfico deixar de existir, como um policial viverá com os R$2000,00 de salário pagos pelo governo?? e se ele não trabalhar pelos R$2000,00 o governo tem que aumentar os salários e certamente faltará $$$$$ aos governantes para sua reeleição, para seu caixa 2 , para a corrupção , isso tudo para fortalecer a idéia de que o vício é o que menos importa aos que decidem o tema.

  205. Matheus says:

    Excelentes argumentos apresentados de uma forma leve, inteligente e criativa. Parabéns!

  206. Pingback: Algumas considerações a respeito da legalização das drogas | Setorial Política sobre Drogas

  207. Tarcio França says:

    As drogas estão interagindo no nosso ambiente social desde os tempos antigos. O nosso corpo e nosso cérebro agem impulsionados dia a dia pelo uso de drogas, muitas vezes consumidas sem que ao menos saibamos pra que elas servem. Um viciado em café sabe o porque sente prazer ao tomar um copinho de café e porque se sente tão desconfortável quando fica um bom tempo sem tomar a bebida? As aspirinas que servem pra aliviar nossa dor de cabeça são um composto de drogas que agem em nosso corpo com uma finalidade que é de extinguir um mal estar. Um chá de boldo serve para aliviar o desconforto estomacal. Tudo que temos na natureza tem uma função bem distinta e nosso corpo está adaptado a receber de tudo que ingerirmos. Os viciados em drogas, não são viciados por puro prazer, muitas vezes se escondem atrás das drogas para satisfazer desejos e necessidades muitas vezes reprimidas pela sociedade. O abuso de qualquer tipo de droga lícita ou ilícita é uma questão que deve ser abordada em todas as esferas da sociedade desde a Classe Alta até os miseráveis e em todos os segmentos públicos como educação e saúde pública.

  208. Leonardo Mancini Rodrigues says:

    “”…mas que também podem ser uma fonte de experiências divertidas e positivas.”

    Alguém se atreve a dizer isso a um viciado em crack, heroína ou metanfetaminas?

    • Ricardo Moura says:

      tem que se atrever sim! é imprescindível pra poder começar a entender a atração dessa pessoa por essas substâncias e a partir daí, levar tentar mostrar pra que ela também considere o custo financeiro, à saúde, ao futuro e a segurança de usuários e não-usuários.

    • Luis Bonilla says:

      É só entrar no contexto! O crack e demais foram criados pra lá da década de 1980, a maioria nos Estados Unidos. Justamente no ápice do apelo as drogas, onde foram criadas drogas mais fortes, ainda em comparação com 1920, onde foram comercializadas bebidas mais fortes no mercado negro, para então uma satisfação econômica do traficante. Concluindo, mais uma consequência de uma lei criada sem pensar.

  209. Rodrigo says:

    Ótima abordagem!
    O mercado marginal realmente muda de segmento, MAS talvez para um segmento menos violento, ou ‘mais legalizado’.
    É claro que o tráfico de armas tem forte interesse neste mercado.
    E talvez o fim da proibição deva ser feito gradualmente…
    Mas não há muitas outras saídas, e do jeito que está é que não dá pra continuar.
    Dar murro em ponta de faca, como é agora, é beco sem saída!

  210. Junior says:

    Um tanto falácioso em alguns pontos!
    O mercado marginal apenas muda de segmento!

  211. Diogo says:

    Muito bom! E muito preciso e esclarecedor também.

  212. Jeniffer says:

    Lindo!!! Espetacular!

  213. allan says:

    abordagem perfeita. além do exposto no quadrinho, acho que o pior efeito da proibição é a falta de pesquisa sobre substâncias como LSD, DMT, Psilocibina, entre outro que hoje são demonizadas e poderiam trazer alívio para N problemas médicos e psíquicos.

  214. Vicente Caldas says:

    Muito bom!

  215. Filipe Baldin says:

    really awesome!

  216. Ângelo Elizario Zirbes says:

    Mais claro impossível!

  217. Lucas Aly says:

    Estamos berrando para que a Sociedade acorde e entenda a gravidade do proibicionismo. Infelizmente muitas pessoas ainda são relutantes e não querem enxergar esta realidade social degradantes que a proibição das drogas gerou. Vamos continuar esta luta, pois as próximas gerações de seres humanos nos serão gratas por nossos esforços.

  218. Filipe says:

    Muitos não sabem que o crack é um produto da proibição! Pois ele é nada mais do que cocaína misturada com outras substâncias químicas a fim de potencializar o efeito e deixar o produto mais barato, portanto, mais lucrativo. Outra coisa também, muitas pessoas dizem que a maconha é uma “porta de entrada”… mentira! A porta de entrada são os traficantes e submundo no qual as drogas ilegais estão submetidas. Quando alguém vai no mercado comprar cerveja, ninguém fala “Olha cara… tem uma parada que dá um barato mais forte.. quer experimentar? Pega ae, a primeira é de graça…”

  219. ezequiel says:

    não concordo ,, se fosse legalizado , só iria piorar a situação , ja que praticamente todos os viciados em crack ou cocaina , começarma com a “inofensiva ” maconha ,,, falo isso porque tenho 2 primos viciados em crack ,

    • Alex Castro says:

      Ezequiel, não é porque seus primos fumaram maconha antes de ir pra cocaína e pro crack que foi a erva a culpada. Antes de experimentar maconha com certeza eles beberam cerveja, então pela sua lógica a cerveja poderia ser a culpada, não?? Ou o leite, que eles tb beberam antes da cerveja..
      A verdade é que a PROIBIÇÃO incentiva o uso de drogas pesadas, ao colocar quem fuma maconha em contato com traficantes de drogas pesadas.
      Na Holanda, quando a maconha foi parcialmente legalizada, o consumo de maconha não aumentou, e o de heroína caiu. Pense nisso.

  220. José Carlos Caju says:

    Desculpem o erro de digitação: o correto é consciência.

  221. José Carlos Caju says:

    Muito bom. Acho que o uso de qualquer droga, não deveria ser tratado como crime… a solução é simples: podem usar à vontade… porém se for usuário, não pode trabalhar, dirigir, estudar, votar…. O caminho é de cada um e a conciência também!

    • Leandro R says:

      A tua visão é exatamente a feita pela lei, que exclui o usuário e o deixa à margem da sociedade (leia marginal). Assim como álcool e tabaco, demais substâncias tem horas e locais adequados para serem usadas.

      • Luis CW says:

        É inegável que as drogas em geral tem efeitos deletérios no indivíduo e na sociedade, porém isso não impede o abuso de álcool e cigarro, que maculam a sociedade e os cofres públicos em cuidados de saúde. A proibição é apenas uma questão política, não protege a sociedade.
        A legalização pode ocorrer sim, sem esquecer da conscientização sobre o abuso.
        Muita gente vem, bancando de pensador, com aquele discurso de “você financia o traficante”, coisa que só aprendeu na modinha do Tropa de Elite.
        Ora, se os usuários pudessem plantar maconha, por exemplo, iriam eles comprar ou financiar algum tráfico? Só se fosse de adubo.

        • Catal says:

          E quem no mundo de hoje iria plantar algo para próprio consumo, levando em consideração que teria que haver condições para plantio (solo) clima etc..) espaço, tempo, paciência e que não precisaria de tudo isso só uma vez, já que o consumo seria frequente. Alguns apoiadores da causa também exageram na hipocrisia.

          • Felipe says:

            Catal… muita gente consegue produzir em casa. Não é essa complicação qua a sua falta de informação sugere.

          • Carlos Prado says:

            Catal, o mesmo acontece com feijões e nem por isso vemos traficantes de feijões. Há também a dificuldade de produção de aspirinas, gardenal e tantos medicamentos e mesmo assim não vejo um traficante de tais produtos. O mesmo podemos dizer da cerveja, do malte e da cevada, da cana e da cachaça. Mas o único momento em que vimos traficantes desses produtos foi durante a tal lei seca americana.

    • D says:

      Não podem trabalhar, dirigir, estudar, votar….

      Você sabia que a maior razão pela qual usuários de Crack são usuários é porquê eles tem jornadas de trabalho de 12, 16 horas por dia, muitas vezes por misérias ?

      E que a maior parte dos usuários de cocaína é de classe média-alta, empresários, artistas, políticos e outras pessoas que tem que estar sempre “prontas pro que der e vier”, e por isso precisam de um “pique”, um “estímulo” extra para aguentar o seu dia-a-dia ?

      Isso sem falarmos do álcool e do cigarro, que são usados para que as pessoas esqueçam dos seus dias e tenham “portos seguros” onde encontrar prazer e sociabilidade condensados em um único ponto.

      Drogas não são coisas de gente “alienígena”, que vive em algum mundo distante – são coisas de muita gente que produz e que realiza na sociedade. O estereótipo do vagabundo maconheiro é justamente isso – um estereótipo do bicho-grilo. Nossa sociedade foi e é construída, em grande parte, por drogados. Não se deixe enganar quanto a isso.

      • Catal says:

        E quem no mundo de hoje iria plantar algo para próprio consumo, levando em consideração que teria que haver condições para plantio (solo) clima etc..) espaço, tempo, paciência e que não precisaria de tudo isso só uma vez, já que o consumo seria frequente. Alguns apoiadores da causa também exageram na hipocrisia.

  222. victor bruno says:

    Muito bom! Ele elucida as consequências nefastas dessa guerra mentirosa. Ele só poderia ser mais enfático ao abordar que os EUA jogam toda essa violência para nós mexicanos, colombianos, peruanos, brasileiros, bolivianos e paraguaios, enfim, vítimas fatais desta política acobertada e protegida, também, pela mídia, o que acaba por manipular e definir opiniões das pessoas. Somada aos nossos graus de desenvolvimento, eles nos ultrajam e forjam as verdades sobre esta guerra e as reais intencões deste jogo sujo. Parece simples o argumento, mas é este mesmo, não há segredo.

  223. Matheus Campos says:

    Ótimo quadrinho. Sobre a questão da política anti-drogas, o quadrinho traz uma análise histórica, que é de desconhecimento público e que, precisa ser entendida.

  224. Thiago says:

    muitíssimos parabéns pelo trabalho!

  225. César Almada says:

    O vício é um problema de saúde pública, e deve ser tratado dessa forma. O viciado existe independente da legalização. O vício é uma consequência do consumo. Não sei se há uma margem segura para o consumo recreativo, contudo, a proibição em nada altera o problema do vício, não de forma positiva. O usuário recreativo da droga, que agora é marginalizado, será no futuro o mesmo usuário que em decorrência da política proibitiva terá receio de pedir ajuda. Como bem mostrado nas ilustrações, o problema da proibição, é que o usuário, a vítima, passa a ser tratado como criminoso, e as violências ocorridas em decorrência do tráfico continuam presentes, e um problema que seria só de saúde pública passa a ser também de segurança pública.

  226. Juan says:

    O problema é que não é uma visão hipócrita. O problema das drogas não é nenhum efeito estranho ao corpo, e sim um comum, o vício. A pessoa passa a fazer qualquer coisa por uma. O mesmo acontece com álcool e cigarro, só que o cigarro, além do efeito mencionado acima, ainda gera doenças de pulmão. Uma proibição precisa ser feita de maneira efetiva, sub-reptícia e lenta.

  227. Caio Senna says:

    as pessoas precisam ter novas perspectivas sobre tudo isso! chega de uma visão fechada e hipócrita sobre uma realidade que as pessoas insistem em ignorar.

  228. Caio says:

    O problema agora em relação a época da lei seca é que hoje em dia muitas pessoas ” do sistema ” estão ganhando muita grana com a proibição e ninguém quer largar o osso …

  229. Diego Pessoa says:

    Essencial para poder abrir os olhos de alguns que vêm isso como um tabu. Parabéns.

  230. Daianny says:

    Adoreei mesmo. Muito criativo e educativo .

  231. Diego Macedo says:

    muito bem trabalhado a questão da drogas. Gostei muito de saber a respeito de que quando existe a proibição vamos gerando um mal. Esse ponto de vista vista pelo avesso nos ajuda pensar em maneiras de usar e comprar drogas de forma que não venha prejudicar o nosso organismo.

  232. Renan Angelo says:

    tbm acho q devíamos desvincular o problema q envolvem drogas dos problemas das próprias drogas!!!

  233. Thiago Reinoldes says:

    Nossa… ainda bem q tive paciência pra abrir isso e ver com calma! Eh isso mesmo! Que aula! Excelente!

  234. Lucas Siqueira says:

    Genial o quadrinho. Muito bem explicado e com desenhos muito bonitos. O artista está de parabéns, muito lindo o trabalho!

  235. pseudotiago says:

    muito boa a discussão sobre os efeitos reais da droga, aquele que não conhecemos por conta da proibição. é uma parte que não se fala em lugar nenhum. curti! hehehe

  236. Aline says:

    Amei o texto! Fácil de entender e expôs o que eu penso de uma maneira divertida. 😀

  237. Victor RF says:

    Incrível, você conseguiu simplificar um assunto complexo com excelentes argumentos. Muito bom, parabéns!

  238. Frederico Romanoff do Vale says:

    Lindo !
    Meus parabéns.

  239. Túlio Furtado Réche says:

    Muito simples, transmite a mensagem, e prende nossa atenção! Sensacional!

  240. Cláudia says:

    Questão muito bem abordada, já que a sociedade só vê o lado das leis mais severas e dos efeitos que elas causam na vida dos indivíduos que não consomem esses entorpecentes. Quando é algo proibído, se torna mais atraente, mas quando é liberado, muitos dizem que perde “a graça”. Existem drogas cujos efeitos são devastadores, como crack, heroína, cocaína, dentre outras, que acabam com o sistema nervoso da pessoa. Quanto as bebidas alcoolicas e ao cigarro (que causa mal principalmente ao sistema respiratório), os seus efeitos também são prejudiciais, só que no longo prazo, e a única recomendação que é feita tanto pela indústria quanto pela sociedade, é que seja consumido controladamente. E não se pode esquecer das drogas tomadas pelo pico, que transmitem as famosas DSTs, como a AIDS e são letais em dobro, devido a esse pequeno fator de risco. Quanto a maconha, o problema dela é que por seu intermédio, muitos usuários buscam consumir os demais tipos (citados anteriormente). Eu sempre vi que o usuário deveria ser considerado criminoso, já que é o seu vício que sustenta o narcotráfico, mas dependendo da situação, esse tópico precisa ser revisto. Bem, acho que a legalização de uma pá de drogas possui mais contras do que prós, já que vemos os seus efeitos nas vidas de muitos cidadãos. E o Sr. Milton Friedman tem toda razão ao dizer que essa guerra contra as drogas está perdida.

  241. ,Larisse Amaral says:

    Acho que o autor tem um ponto de vista muito bom. Faz todo o sentido! Mas ainda fico receosa em relação à liberação de certas drogas…

  242. Pingback: Legalizar ou Não? Um Debate sobre as Consequências da Guerra contra as Drogas, baseado em HQ | Literatortura

  243. Pedro Henrique says:

    fantástico!

  244. Rafael Peratello says:

    Parabéns pela atitude!!!
    Merece mais divulgação!!!

  245. Lucas Caporasso says:

    Papo cabeça, merece mais divulgação!

  246. Thaïs says:

    Ainda existe o argumento de que o Brasil (insira qualquer outro país aqui) não está preparado para a legalização das drogas. Imagino que ele esteja mais preparado para o narcotráfico, então.

  247. paulo says:

    ah gente, escondido é muito melhor. se for liberado vai perder a graça.

  248. lucas soares says:

    sensacional. o mote que deu origem aos quadrinhos é sensacional. sou a favor de uma política pública que abranja a discussão acerca das drogas. não quero que se legalize nada sem fundamento. quero que o brasil & o mundo debata questões. quero que as pessoas, enfim, entendam que existe um outro lado para a história, que a maior parte da sociedade insiste em não aceitar. infelizmente, a guerra às drogas é um ato perdido. é evidente. parabéns ao artista!!!

  249. alambique says:

    Ótimo!
    Argumento claro e bem feito. PORÉM, …
    Será que quem prosseguem com essa “guerra” não sabem disso tudo?
    Duvido q seja uma questão de falta de LÓGICA ou de FATOS …
    Tudo é sobre o exercício de Poder dos indivíduos que ganham com isso.

  250. Aurélio says:

    Muito bom, sou libertário e adoro o posicionamento do Milton Friedman em muitas áreas da sociedade.

  251. Gustavo Tampa says:

    A política de guerra às drogas faz a tal da guerra americana o maior fracasso de sua história, maior até que a derrota para os vietcongs. O problema é o resto do mundo entrar na guerra sem perceber que não adiantam os esforços e muito menos os altos investimentos de dinheiro público: essa é uma guerra onde a derrota é inevitável.

    Ótimo quadrinho!!!

  252. Lucas Rosa says:

    Sensacional!

  253. Lucas says:

    Todos precisam ler esse gibi

  254. Isabela says:

    Essa análise é fantástica! Seus argumentos são excelentes. Pessoalmente, não aprovo o uso das drogas justamente pelo meio no qual ela está inserida e suas causas na sociedade contemporânea. No entanto, vejo sim que esse meio foi criado a partir da proibição. Talvez, se isso não tivesse ocorrido, as coisas seriam um pouco diferentes. “Quem contará a história do que poderia ter sido?”, disse o poeta. Comumente os efeitos de uma coisa são confundidos com os da outra e, na verdade, eles são independentes. O ser humano se droga desde o início das civilizações e o máximo que se pode fazer é criar uma consciência em torno do assunto. Parece que o tabu não permite, não é? As coisas se misturaram e a sociedade se recusa a rever conceitos que surgiram no contexto da violência e marginalidade. Não há como forçar ninguém a ver nada, mas se faz sim necessário e extremamente válido ter, como você disse, uma discussão madura e com argumentos fundamentados. Parabéns!

  255. Rogério says:

    Quando preconceito entra em equações sociais, o resultado sempre será um tremendo engano e perda para todos.
    Variáveis relacionadas à questão moral, ética, economica e de saúde, são fundamentais, e não podem conter apenas o olhar de determi
    nados grupos dominantes, pois desdobra-se-ão em visões sectárias, agravando o problema.
    Sem uma ampla discussão e alteração na abordagem haverá sempre o agravamento das questões sociais e a perpetuação das tragédias sociais que temos.
    As políticas aplicadas que mantém o problema como está atendem a uma agenda específica do ‘quanto pior melhor’ que mantém todos com medo, divididos e dependentes deste sistema que as aplica.

  256. Thiago says:

    CLAP CLAP CLAP!
    Meus parabens, meu caro!!
    Sem mais.

  257. Átila says:

    Muito bom mesmo, mesmo, mesmo, quero muito mas n tenho conta….

  258. Vinícius says:

    Brilhante HQ! Alimentando um debate com argumentos sólidos!

  259. leo simas says:

    Forma criativa de defender uma idéia na minha opiniao é ridicula de que todos seriamos felizes se pudessemos usar drogas a vontade.
    Não gostei, podemos contra argumentar com o cigarro, que é legalizado e que o que se perde devido aos efeitos do cigarro nem se comparam aos ganhos, tanto de de impostos, quanto de prazer proporcionador.

    É melhor viajar ao vivo, ou ouvindo uma boa música ou lendo um livro, ou pintando, do que usar algo que reduz sua percepcao do mundo q o cerca enquanto parece ampliar.

  260. Matheus Saad says:

    Lindo .. Acho quadrinho um bom começo pras pessoas começarem a acordar ! Valeu demais, e continue com produções como essas e estará praticando o bem.. Valeuu

  261. Alexandre says:

    Parabéns, deu uma clareada..!

  262. Pedro Henrique says:

    Parabéns cara! ötimo trabalho e a forma como foi abordada foi muito criativa!
    As pessoas precisam questionar, precisam se conscientizar, e não apenas aceitar oque outros dizem.

    Novamente parabéns!

  263. Vinícius says:

    Genial!

  264. Nadson says:

    Excelete trabalho, ei de indicá-lo aos meus amigos e conhecidos.

  265. Guilherme says:

    Muito bom. Faça mais quadrinhos desse.

  266. Fábio says:

    A indústria famacêutica viveu sua fase de esplendor durante a Lei Sêca. O alcóolatra buscava um substituto, ali começou o mercado das drogas… Parabéns pela narrativa e pelas ilustrações.

  267. Leandro Ávila says:

    Parabens msm!

  268. Gustavo R. Steudel says:

    Sou Straight Edger, ou seja, sou contra qualquer tipo de abuso, especialmente de drogas, mas tenho que concordar com isso, é realmente uma análise profunda e muito inteligente.

  269. Djaffari Cardoso says:

    Gostei muito do tema, e a maneira com que é tratado.
    Vou fazer um artigo academico sobre o assunto, dspertou meu interesse.

  270. Deko says:

    Primeira vez que leio algo tão certo em relação as drogas!!!!

  271. Bruno Galindro da Costa says:

    Excellent!

  272. Thiago Vinícius says:

    Simplesmente, acho que isso deveria ser levado a público para ser discutido, os argumentos são todos com propriedade. Parabéns, ótima mensagem!

  273. rodrigo ferreira says:

    muito bom quadrinho muito bem bolado curti muito

  274. rafael villas baos says:

    muito bom…..muito instrutivo para mentes fechadas que repudiam qualquer tipo de proposta de legalizaçÃO.

  275. Rodrigo Viana says:

    Congratulations Stuart, your comics is awesome!

    Unfortunately some topics like this is a big taboo in Brazil.
    Some libertarians lessons about a free society like individual responsibility are not respected im my country. I will share this work in my blog site to show that War on Drugs is a failure act. To do this comics analysing in the perspective of Milton Friedman’s life was great too. Bye.

  276. Tiago Irineu says:

    Perfeito.

  277. Bruno Giubilei says:

    Parabéns! uma pena que nem todos pensem assim como nós.

  278. André Poffo says:

    Parabéns, ficou ótimo!

  279. Iago B.R. Quixabeira says:

    Brilhante!!!!

  280. Igor Santos says:

    mt bom,realista

  281. Pedro Gomes says:

    Fenomenal!
    Faço minha monografia jurídica sobre o assunto e sei, com toda certeza, que você fez um resumo histórico brilhante, com conteúdo exemplar e digno de todo apoio!
    Parabéns… palmas pelo seu trabalho e interesse em melhorar TODAS as sociedades, livrando-as deste mal chamado de MANIPULAÇÃO.
    A política de combate às drogas vai de encontro à própria lei quando a legislação prega em seus princípios que para uma conduta ser tipificada como crime, necessariamente o ato praticado deve possuir lesividade à terceiros, algo inexistente no consumo de QUALQUER SUBSTÂNCIA.
    Irei contribuir com o seu projeto, assim como peço a autorização para compartilhar o seu material dando os créditos e direcionamento para este site.
    Mais uma vez, congratulations!

  282. Gabriel says:

    Excêlente! Muito eloquente e bem argumentado. Continue com o ótimo trabalho, adorei!

  283. JDV Rocha says:

    Talvez eu não consiga apoiar financeiramente, mas que vou fazer todo mundo ver isso e parar pra refletir… ah eu vou.

  284. Angelo says:

    Sensacional, tanto a ideia, quanto a arte! parabens!

  285. Murilo Rodrigues says:

    A liberação ou não das drogas está muito abaixo na pirâmide das prioridades da sociedade brasileira. Quando a Educação de Qualidade, que abrirá quase todas as outras ‘portas’ possíveis e necessárias, for uma realidade no Brasil, nossos cidadãos terão maior e melhor capacidade de opinar e exigir seus direitos e cumprir com suas obrigações – tornando-se agentes ativos do seu bem estar físico e psicológico e, consequentemente, do destino de suas vidas. A miséria, a ignorância, a exclusão e (extrema) desigualdade social são campos férteis onde as piores consequências da droga (liberada ou ilegal) podem se alastrar. A priori, sim, temos aplicar a Lei para os criminosos e tratar os dependentes com dignidade e respeito.Outro detalhe: a família ainda deve ser a base da sociedade. Em casa é que aprendemos a ser mais com menos, a buscar sempre o melhor pra nós e nossos pares e a sermos dignos de tudo que conquistarmos.

  286. Bruno Laze says:

    Muito bom, parabéns!

  287. Freitas says:

    bastante criativo. está de parabéns!

  288. Alecore says:

    Muito bom !! O Quadrinho mostra o lado “bom” das drugs !! Porém hojê em dia existem drogas pesadas e totalmente prejudiciais .. Como : Heroína, crack , cocaína. E a maioria dos usuários não sabem como lidar quando a dependencia quimica se torna um fator diário, atrapalhando sua vida social e profissional.
    Explorar as “Portas da Percepção” é uma experiencia um tanto reveladora e ate mesmo prazerosa.. E se pode obter apenas fumando um basedo, com uma companhia agradável num lugar legal …
    Não sou a favor da liberação do uso, pois penso que a maioria dos usuários irão se definhar no uso descontrolado. Se essa “cura” fosse realmente viável, seria a forma mais eficaz de se combater esse “mal”, porém de fato não funciona e a população sofre dos dois lados, vítima da violência , intolerancia e preconceito aos usuários.

  289. @verboso says:

    O slogan “Guerra às drogas” segue o mesmo princípio de qualquer slogan criado com intuito de fazer lavagem cerebral. O princípio é o de criar uma frase que qualquer pessoa seria a favor e ninguém contra, mas que ao mesmo tempo seja completamente vazia de sentido, assim o sujeito não precisa explicar suas reais intenções e tem liberdade para fazer o que quiser.

    Todo mundo é contra o abuso de drogas, mas pergunta pro povo se ele seria a favor da marginalização, tortura e assassinato dos usuários de drogas.

  290. @verboso says:

    Não sabendo resolver problemas, políticos inventam leis, mas é lógico que eles não sabem resolver problemas, alias não sabem resolver nenhum, problemas são solucionados com tecnologia e políticos sabem bosta nenhuma sobre tecnologia, eles são especialistas em serem eleitos, ou seja, são especialistas em algo completamente inútil na resolução de problemas.

    Tinha gente que fazia o Moonshine com álcool etílico, muita gente ficou cega por conta do contrabando. É a mesma coisa que fazem hoje em dia quando colocam cal e tudo quanto é merda na cocaína pra “render mais”.

    Não existe guerra às drogas, não se faz guerra contra objetos inanimados, a guerra é contra os usuários. Usuários não precisam ser combatidos, precisam de ajuda.

  291. Laerte says:

    A legalização não garante benefícios em qualquer conjuntura. Vejam o exemplo do álcool no Brasil: é uma droga legalizada mas que, mesmo tendo padrões controlados de qualidade, é fonte de grandes problemas sociais, de saúde e de segurança, já que está diretamente ligado a grandes tragédias no trânsito. Situação parecida se aplica ao tabaco, e provavelmente se daria o mesmo com outras drogas que hoje são ilícitas. Outra consequência da legalização, no Brasil, seria a regulamentação, já que isto é necessário para garantir os padrões de qualidade citados nos quadrinhos. Esta regulamentação, juntamente com a incidência de impostos, elevaria o preço das drogas regulamentadas e os usuários fatalmente voltariam a comprar dos traficantes ilegais e assim revigorando o crime organizado e a violência. É, parece que a questão da legalização realmente precisa ser repensada!

    • @verboso says:

      O problema não é legalizar ou não as drogas. Não se cura gripe com analgésico. O problema é que vivemos numa sociedade completamente neurótica, drogas são a forma mais comum de automedicação para lidar com toda a ansiedade e sentimento e impotência diante da miséria e falta de conhecimento.

  292. rejane salete marques says:

    Gostei muito. É angustiante se sentir a vida inteira uma desviada, meio a margem e depois ver os seus filhos passando por isso e temer pela vida deles.

  293. Pedro Lamarão says:

    O argumento da possibilidade de dependência é ilegítimo. Café vicia, e a quantidade de profissionais viciados em café devido à necessidade de trabalhar altas horas é enorme. Cigarro e álcool são socialmente aceitos apesar da possibilidade de vício. Sabemos muito bem que o açúcar e produtos com muito açúcar, como Coca-Cola, causam dependência. A possibilidade de causar dependência é irrelevante.

  294. Gustavo Simoes Libardi says:

    Excelente arte, argumento e escolha do tema! Parabéns!

  295. Matheus Fonseca says:

    Porra, muito bom! Tá na hora tornarmos este debate mais adulto.

  296. Samuel says:

    Muito muito bom, gostei.

  297. Maicol says:

    É um assunto complicado de se debater, porém concordo que a atual política de repressão às drogas não funciona, só gera mais problemas.
    Cada indivíduo deve ter a liberdade de consumir o que quiser. Se a proibição se desse em função do mal que a substância faz, então proibamos também o sal e o açúcar, pois esses sim lotam os hospitais com pacientes diabéticos, obesos, hipertensos e abatidos por outros tantos males que advém de seu uso exagerado.

  298. Tião Vitor says:

    Excelente! Um material de muita qualidade. Uma conversa franca e verdadeira. Eu apoio a liberação das drogas.

  299. Arthur Rolim says:

    É difícil abrir a cabeça, também, para o fato que drogas podem causar mal à saúde. Embora concorde totalmente com a discussão de efeitos das drogas, as consequências de criminalidade se deveram ao vício da população. Como liberar a droga de modo fácil, se ela causa dependência e, mesmo as legais, também causam problemas sociais? O que falar de pessoas que se estragaram com o alcoolismo, contraíram o vírus HIV com o uso de injetáveis ou, na ânsia de uma “potência” maior, entraram em estágio de overdose – tudo por se negar a uma simples conversa? Legalizar não é a solução de todos os problemas sociais.

  300. Gabriel Lacerda says:

    Enfim um Quadrinho contingentismo

  301. Nisan says:

    Realmente essas leis precisam ser revistas o quanto antes….
    Mas fica a pergunta
    Quem terá coragem de fazer isso????

  302. Ahmed Shogun says:

    Bom texto, mas se droga é algo tão bom assim, por que todo teórico recua quando imagina o próprio filho usando drogas? Drogas são bons para os filhos dos outros. Concordo que a repressão não resolve, mas se todos educassem os filhos, isso poderia acabar. Além do mais, a questão as drogas está vinculada ao desemprego, falta de oportunidades de trabalho/educação, descaso político e impunidade. Quanto à legalização, se perguntem: tudo bem se amanhã ou depois meus filhos aparecerem usando drogas?

    • Devyson Araujo says:

      Pelo contrario amigo Ahmed, muitos teóricos vendo a cena que no encontramos hoje, com sua sabedoria, chamam seus filhos jovens a uma boa conversa e mostram para eles o que é ruim é o que é bom, e muitos desses teóricos já tiveram algum tipo de experiencia com drogas, seja ela qual for, os que não tiveram sabem por serem pessoas mais abertas que o bicho que falam não eh tão feio quanto dizem, o importante é sempre ter a conciencia de que é necessário falar, conversar, não adianta dizer a um jovem que não pode, ele vai fazer, tem que se dizer o porque, qual a sua opinião e o que lhe aconselha fazer, mostrando os pros e contras, assim ele mesmo vai formar sua própria opinião baseado nas palavras do seu responsável, que estará sempre usando de argumentos verdadeiros e não lendo a revista VEJA…

  303. João Augusto says:

    O autor está de parabéns, é uma excelente forma de abordagem do tema.

  304. Gian says:

    Excelente, uma pena que os que deveriam ler, não vão…

  305. Vitor Santana Soares says:

    Muito bem argumentado. Se toda a população tivesse a cabeça aberta, conseguiriam entender essa linha de raciocínio.
    Ótimo trabalho.

  306. Gian Carlo says:

    Ponto de vista muito bom, tomara que seja bem divulgado, afinal vivemos numa sociedade onde o “certo” é definido pelas mesmas pessoas que sao muitas vezes corruptas e manipuladas (governo), e os trouxas seguem a risca ainda!

  307. Fabricio says:

    Show de bola ! Parabéns 😀

  308. Bicuinha says:

    Tou de boca aberta… Alinha de raciocinio aqui é de cair o queixo… Parabéns pro artista que pesquisou sobre o assunte e escreveu tão bem essa obra!

  309. Gladston Carvalho says:

    Uma forma bem didática e inteligente de colocar em pauta o ponto de vista dos mesmos fatos, assuntos, passado e futuro, comparados e polêmicos, presente este em toda sociedade moderna.

    • Carlos Alberto de Arruda says:

      Bom artigo, mas seria utopia achar que vão legalizar o uso de cocaina, crack, heroina e por ai afora. Uma curiosidade Amsterdam vai aumentar o controle sobre vendas de maconha um amigo me disse que sera vendido apenas aos Holandeses e ai o que deu errado por lá?

      • Luís Fernando Tófoli says:

        O que deu errado na Holanda, principalmente, foi que eles legalizaram o consumo, mas mantiveram ilegal o comércio. Desse jeito fica muito complicado dar certo. Recomendo a leitura de ‘O Fim da Guerra’ de Denis Burgierman para aprofundar o tema.

  310. Lucas Cändia says:

    booa! a descriminalização é eminente! depois de tantos anos preso nessa frustação, o próprio berço desse conservadorismo hipócrita de Anslinger e Nixon continua a ceder cada vez mais, como o Brasil é um país atrasado em políticas públicas, vai demorar um pouquinho mas vai chegar :)

  311. Anderson says:

    Excelente. Parabéns aos autor, e parabéns a quem divulga. Esse tipo de discussão que deve ser levado a sociedade.

  312. Daniel Vieira de Figueredo says:

    Genial. Parabéns!

  313. Kala says:

    Parabéns! :)

  314. Felipe Moreira says:

    Parabens! Otimo trabalho! Gostei muito.

  315. Henry Pollack says:

    Caramba, muito bom o seu trabalho tanto como o enredo que são usados nele como nos desenhos em si

  316. Lucas says:

    Muito bom, essas coisa deveriam ser mais divulgadas. Parabéns

  317. Andre says:

    Renato, as drogas não são a causa da miséria e desigualdade no Brasil. Esse discurso conservador e perverso de “existem problemas mais graves que esse, então vamos ignorar esse problema por enquanto”, não pode mais existir.
    Releia os argumentos do autor, dessa vez sem esse preconceito conservadorista, e você verá que seus argumentos não tem muito sentido.
    O maior de todos os problemas infelizmente ainda é a ignorância, e você, por mais que se considere mais “instruído” e “sensato” que a maioria, só está ajudando a propagá-la.

    • Renato says:

      Andre: nesse ponto concordamos, porque se você ler o que eu disse com mais atenção vai perceber que em nenhum lugar eu disse que a miséria e desigualdade são causadas pela droga. O sentido real do meu raciocínio foi fizer que um povo miserável e pouco instruído (não falo de saber-formal, pois acho que a educação brasileira é mais alienante do que formadora de pensamento) não é livre simplesmente por não ter discernimento suficiente para decidir sobre a sua própria liberdade de escolha.

      E me perdoe por discordar, mas acho sim que é muito mais importante a população se preocupar com o acesso de todos à saúde e educação de qualidade, ou com a destinação dos impostos arrecadados pelo governo, por exemplo, do que decidir qual tipo de entorpecente vai consumir.

      Como você mesmo diz, a ignorância é um miasma deletério, capaz de arruinar a conclusão proveitosa de qualquer debate. Por isso mesmo é que penso que não podemos ignorar o fato de que a legalização do consumo de drogas não passa de proselitismo vazio, na medida em que tende a satisfazer somente os usuários de droga. Ou você confiaria a sua vida ou a de algum ente familiar muito querido às mãos de um profissional habitualmente entorpecido? Como disse um outro visitante um pouco mais atrás no comentários, a coisa toda só é muito boa até a hora que mexe com a gente.

  318. rodrigo ribeiro de saboia says:

    adorei parabens!!!!!!!!!!!!!

  319. Márcio says:

    Muito bom! Tem uma frase de um programa da History que diz tudo:”Também é útil recordar o passado para não repetir os mesmos erros.”

  320. laion says:

    baita quadrinho tche

  321. Renato says:

    Acho detestável esse movimento recente de glorificação das drogas. Em se tratando específicamente do Brasil, acho que se trata de um debate descabido em razão da nossa conjuntura. Temos problemas muito mais urgentes a serem debatidos, relacionadas à validade de direitos fundamentais como saúde e educação. Daí, quem sabe, um povo bem instruído e com maior sensatez, possa decidir melhor sobre o que quer para si. Muito dessa onda de defesa a um suposto “direito de usar drogas” decorre de influência cultural de outros países, porém neles o percentual de analfabetos e miseráveis é muito menor. Passamos por ditaduras e movimentos de resistência para que pudéssemos sair às ruas e decidir sobre os rumos da nação, e não pela liberdade de escolha sobre qual droga usar. Além disso, a população mal consegue administrar as drogas legais de que já dispõe. A estória fala de “abuso de drogas” por elas serem ilícitas, mas o álcool é lícito e, por si só, já é causador de violência alarmante. Por favor, dediquem mais tempo à causas mais nobres.

    • Andre says:

      Renato, miséria e desigualdade não estão presentes no Brasil devido às drogas. Esse discurso conservador e perverso de “existem problemas mais graves que esse, então vamos ignorar esse problema por enquanto”, não pode mais existir.
      Releia os argumentos do autor, dessa vez sem esse preconceito conservadorista, e você verá que seus argumentos não tem muito sentido.
      Na verdade o maior problema da nossa sociedade é a ignorância que somente intensifica todos os outros problemas reais. E você, por mais que se considere ” instruído” e ” sensato”, só está intensificando-o.

    • Tércio Veloso says:

      Carissimo Renato…

      sobre as ditaduras e movimentos sociais pelos os quais a sociedade brasileira passou, acho que eles deviam ter servido justamente para consumar a liberdade de escolha… o que faz uma pessoa viciada em alcool ou tabaco melhor do que um outro que fuma maconha?! nada… absolutamente nada… a única diferença é que a nossa sociedade depende do $$$ pago em impostos e dos empregos gerados por empresas como a AMBEV ou SOUZA CRUZ…

      A maioria das pessoas, inclusive, desconhece o potencial econômico da planta da cannabis, que pode ser usada como droga sim, mas também pode ser utilizada para produzir fibras de tecido, alimentos, isso sem falar no seu uso como medicamento…

      A verdade é que da mesmo que o “movimento recente de glorificação das drogas” tem ganhado espaço no Brasil por influência de culturas exteriores, a proibição das mesmas também é fruto de condescência de nossos governos anteriores com partes que lhes interessavam de culturas exteriores, haja visto a relação dos governos militares brasileiros com os norte-americanos, que data não apenas da ditadura militar – 1964 – mas desde os tempos do governo imperial no Brasil, onde havia um temor generalizado do uso de drogas pelos escravos, assim como nos EUA.

      No mais, partilho da opinião do autor, grande parte dos problemas enfrentados pela “guerra contra as drogas” advêm, SIM, da proibição das mesmas, uma vez que um governo forte e devidamente institucionalizado não pode deixar o monopólio de um comércio tão lucrativo nas mãos de homens que estão à margem da lei… Mas pensando bem, não se pode esquecer que talvez alguns desses mesmo políticos que tanto lutam para “manter” o monopólio de traficantes tenham grande interesse nesse cenário que se monta… mas aqui é conversa pra outra discussão.

    • Julio Wissenschaft says:

      Renato, em nenhum momento se falou em “glorificação das drogas”, como você colocou. O movimento trata de debater sobre a revisão de uma lei que tem se mostrado muito ineficaz e tem trazido mais malefícios que benefícios.
      Procure estudar mais.

  322. Henrique says:

    Perfeitamente maravilhoso, muito bom mesmo. Um assunto tão importante sendo abordado de uma forma interessantissíma, parabens.

  323. Fernando says:

    Muito bom!!!

  324. Chyko says:

    Adorei seus quadrinhos, um pouco de inteligencia em um mundo tão ignorante.

  325. Lucas says:

    Muito fodaa !

  326. Mauricio says:

    Maravilhoso, persigo essa forma de expressão desde criança, parabéns ao seu talento e conhecimento histórico.

  327. Tiago calzans says:

    Adorei, um pouquinho de amor em tempos de guerra e ignorância.

  328. Ivan Moraes says:

    Fantastico!!!!!!!!!!

  329. rastafinha says:

    fóda;

  330. Adelino says:

    Maravilhosa HQ, imparcial, objetiva e muito esclarecedora. Parabéns ao autor.

  331. Rodrigo says:

    Fantástico o quadrinho. Opinião muito bem colocada sem exageros e sem magoar o ego de ninguem. Muito bom!

  332. Pingback: A Guerra em quadrinhos « Plantando Consciência – Desperte a sua

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *